quarta-feira, 1 de março de 2017

Lição 9 — O Espírito Santo e a Igreja, por três autores



Para 25 de fevereiro a 4 de março de 2017


Paulo proclamou Jesus com a bênção do Espírito Santo. Seu apelo para que os membros da igreja em Corinto "digais [ensinem] todos uma mesma coisa, e que não haja divisões entre vós, mas que sejais perfeitamente unidos na mesma mente" (1ª Coríntios 1:10 KJV) não é conversa ociosa . Este é o ideal de Deus para Sua igreja, e uma previsão pouco conhecida em um livro desatualizado declara categoricamente que essa abençoada unidade de coração e mente será realizada na igreja antes que Jesus retorne: "Eles verão olho em olho em Todos os assuntos de crença religiosa. Eles vão falar [ensinar] as mesmas coisas; ... eles serão um em Cristo Jesus."1
Como as pessoas de uma igreja podem realmente crer na mesma coisa (unidade) é importante, porque Jesus disse que a única maneira pela qual o mundo pode ser levado a crer nEle é quando Seus seguidores "todos sejam um, ... para que o mundo creia que Tu Me enviaste” (João 17:21). Algo que ele chama de "Tua verdade" é a única coisa que os unirá (vs. 17). Paulo chama isso de "a verdade do evangelho" (Gálatas 2: 5 e 14). O sucesso ou fracasso da missão de Cristo para o mundo depende, portanto, daquela "verdade" trazendo Seu povo que professam "guardar os mandamentos de Deus e a fé de Jesus" em um só (Apocalipse 14:12).
Se você está perplexo hoje quanto ao que você pode acreditar em meio a toda a confusão conflitante, tenha ânimo. Jesus fez uma outra promessa que é 100% verdadeira (os judeus sinceros ficaram perplexos quanto a saber se este jovem rabino da Galiléia estava certo ou se os veneráveis ​​anciãos dos escritórios da sede estavam certos): "Se alguém quiser fazer a vontade dEle, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se Eu falo de Mim mesmo" (João 7:17). Se as pessoas comuns, os leigos, seguissem a direção do Espírito Santo, dizendo que um "amém" de coração a cada novo raio de luz que brilhasse em seu caminho, seu pensamento ficaria claro. E você tem a Luz piscando em seu caminho hoje!
Todas as promessas maravilhosas que Jesus fez antes de Sua morte devem e serão cumpridas. Mas há uma grande promessa que ainda não foi cumprida, e muitos cristãos pensam que nunca será. Eles estão errados! Ele não falhará.
Essa grande promessa está em João 16:13: "Quando vier Aquele, o Espírito de verdade, Ele vos guiará em toda a verdade". Normalmente pensamos que o Espírito Santo nos dá sentimentos felizes ou dá grande poder ao testemunhar e produzir batismos; pensamos que compreender "toda verdade" é de menor importância. Contudo, mais de 200 vezes a Bíblia fala da importância da verdade. Na vida ordinária, nos tribunais, nos júris, os juízes, procuram constantemente conhecer a verdade. Jesus diz que é tão importante que "a verdade vos libertará" (8:32).
O que pode trazer uma unidade e clareza para a compreensão dessas verdades importantes? Certamente, quando esse grande quarto anjo de Apocalipse 18: 1-4 começar a "iluminar a terra com a Sua glória", a mensagem que chama cada pessoa sincera a sair "de Babilônia" será uma mensagem de verdade pura e não adulterada. Oramos diariamente pelo batismo do Espírito Santo. Um excelente lugar para começar a encontrar a resposta a essa oração é ouvir honesta, sincera e humildemente a Bíblia para permitir que nos diga qual é a verdade em todas essas áreas controvertidas. Jesus não prometeu: "O Espírito Santo tentará levá-lo a toda a verdade", ou "Ele deseja poder conduzi-lo a toda a verdade". Não, Ele disse que assim fará. O Espírito Santo agora "nos leva" à verdade que nos unirá em amorosa harmonia de crença. Vamos ouvi-Lo!
Todos os "conceitos" da mensagem de 1888 apontam para a unidade entre o povo de Deus. Ellet J. Waggoner, um dos 1888 "mensageiros", escreveu:
"A Bíblia está cheia da idéia de unidade na igreja de Cristo, mas não lemos tanto sobre uniformidade. Esta unidade deve ser a unidade da vida e do crescimento, e não uma mera conexão externa. Na oração de Cristo ao Pai por Seus discípulos, Ele disse, ‘Eu lhes dei a glória que a Mim me deste, para que sejam um, como nós somos um; Eu neles e Tu em Mim, para que eles sejam perfeitos em unidade" (João 17:22, 23). Aqui vemos que a glória do Senhor é efetuar a união dos crentes, e a união deve ser a do Pai e do Filho.
"A união do Pai e do Filho é união de espírito. Não podemos compreender esta união, mas podemos saber que não é uma união forçada, mas que ela resulta de Sua própria natureza. Eles têm uma vida. Seus pensamentos e propósitos são os mesmos, não porque se reúnem e comparam notas e concordam em ser iguais, mas porque uma vida está em ambos. Assim, a união dos crentes deve ser uma união vital, ou não é uma união de modo algum. Não é realizada por contendas, debates e decisões de maiorias, mas cedendo-se a mente a Cristo e ouvindo a Sua voz. Eles devem ser unidos pela mente e pelo Espírito de Cristo. A vida do Pai e do Filho em cada membro da igreja produzirá a mais perfeita união em todo o corpo. ...
"'Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos e por todos e em todos vós’ (Efésios 4: 4-6). A exortação do apóstolo é: "digais todos uma mesma coisa, e que não haja divisões entre vós, mas que sejais perfeitamente unidos na mesma mente" (1ª Coríntios 1:10 KJV). Mas tenha-se em mente que esta união não é artificial, mas natural; não a natureza humana, antes é a natureza divina.
"A unidade da crença na igreja não é forçada pela igreja vindo junto e a maioria definindo o credo a ser amado. A igreja não pode definir doutrina, nem fazer leis para si mesma ou para qualquer outra pessoa. A igreja de Cristo é constituída de todos os que obedecem aos mandamentos do Senhor, não um corpo para emitir comandos. A Cabeça dirige, o corpo obedece. Deus fala; cada um deve ouvir a Sua voz, pois “a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus” (*Rom. 10:17) e ninguém pode dar fé a outro. "É o dom de Deus".2
O Espírito Santo agora está "nos levando" à verdade que nos unirá em amorosa harmonia de crença. Venha hoje; e seja uma parte da solução de Cristo, não uma parte de Seu problema. Entre em plena unidade com Sua verdade, e você será um com Ele.

From the writings of E. G. White, E. J. Waggoner, and Robert J. Wieland

Notas finais:                                                   
1) Ellen G. White, Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh-day Adventists (Esboços Históricos das Missões Estrangeiras das Igreja Adventista) pág. 124.
Para uma melhor compreensão desta citação da pena de Ellen G. White a ampliamos a aqui das págs. 124 e 125 (*parece ser uma meditação matinal do ano ____ escrito na sexta-feira 18 de setembro.
Esta é atitude dos componentes do blog “Ágape Edições” ao proclamarmos a mensagem de justificação pela fé, que “é a terceira mensagem angélica em verdade”):

Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh-day Adventists (Esboços Históricos das Missões Estrangeiras das Igreja Adventista) pág. 124, da lavra de Ellen G. White:
[p. 124] Unidade entre trabalhadores.
Tiago 3: 13 a 18:
13. Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria.
14. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
15. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
16. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa.
17. Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.
18. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.
 “O princípio aqui estabelecido é o resultado natural da religião cristã. Especialmente aqueles que estão empenhados em proclamar a última mensagem solene a um mundo agonizante procuram cumprir esta Escritura. Embora possuindo temperamentos e disposições diferentes terão uma mesma visão sobre todas as questões de caráter religioso. Falarão as mesmas coisas; terão o mesmo julgamento; serão um em Cristo Jesus.
Estamos aqui hoje para comparar idéias e formar planos para que todos possam trabalhar em harmonia. Ninguém deve sentir que seu julgamento é impecável, que suas idéias estejam acima de crítica e que pode
seguir o seu próprio curso, independentemente das opiniões dos outros com quem se une em trabalho. Quando pensamos que sabemos tudo o que vale a pena saber, estamos numa posição em que Deus não pode nos usar. A mensagem do terceiro anjo não é uma mensagem estreita (grifamos). É uma mensagem mundial, e devemos estar unidos, na medida do possível, na maneira de apresentá-la ao mundo.
O homem é falível, mas a mensagem é infalível. Com ela todos devem estar em harmonia; É o centro de interesse, em que todos os corações devem ser unidos. Podemos levantar pontos que não têm nenhuma consequência, e procurar mantê-los; mas não teremos forças ao fazê-lo. A mensagem é destinada a preparar um povo para estar de pé no último grande dia (*sermos trasladados) e estarmos unidos no céu acima. Ninguém deve achar que não tem importância especial alguma o fato de estar em união com seus irmãos ou não; pois aqueles que não aprenderem a viver em harmonia aqui nunca serão unidos no céu.
 “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” (Efésios 4: 11 a 13).
Alguns têm uma independência natural que os leva a pensar que são superiores, em seu próprio julgamento, do que seus irmãos. Ao fazê-lo, colocam-se onde não obtêm muito conhecimento do que Deus desejaria que obtivessem. A história da obra de Deus no passado mostra que alguns têm uma compreensão de uma coisa, outros de outra. É plano de Deus que haja aconselhamento conjunto. ‘Na multidão de conselheiros há segurança’ (*Prov. 11: 14). Deve haver harmonia no sentimento e ação entre os obreiros. Doutrinas e planos devem ser comparados com ‘a lei e o testemunho’ (*Isaias 8: 20). Nunca devemos nos sentir muito independentes para aprender uns com os outros. Embora não esteja de acordo com o plano de Deus que a mente de um homem controle todas as outras mentes, Ele não fica satisfeito com o fato de haver individuos seguindo uma nova pista, e apresentando novas teorias independentemente do corpo.
 “Como ministros da igreja de Cristo, trabalhemos para estar em harmonia entre nós mesmos,
‘com um coração e alma’ (*Atos 4:32), um em simpatia. Se todos não podem entender igualmente cada assunto, não permita que surjam sentimentos indelicados. Nos primórdios de nossa denominação, se havia alguém que não
entendia algum ponto da verdade como os demais obreiros, um dia de jejum e oração era proclamado. Então nós não tentávamos ver quão distantes poderíamos chegar uns dos outros; mas orávamos e examinávamos as Escrituras até que a luz da verdade iluminasse a mente obscurecida, e todos pudessem ver a questão uniformemente.
 “A verdade é uma unidade, tão poderosa que os nossos inimigos não a podem contrariar. Portanto, eles tentam excitar ciúmes entre os irmãos, para que sejam levados a separar suas afeições de Deus e uns dos outros. Na unidade há força. Na época de Lutero, era considerada uma grande desgraça quando surgiam diferenças entre os crentes, porque fortalecia a oposição de seus inimigos. Houve um tempo em que a Reforma estava levando adiante todos os seus ensinos, e se os líderes da Igreja estivessem unidos, teria sido, por Deus, um agente ainda mais poderoso para derrotar as fortalezas de Satanás; mas desavenças surgiram entre eles, e os inimigos da verdade muito se alegraram.
 “Assim Satanás entrará no meio de nós, e semeará discórdia se puder. Como resistirmos a ele? Cada um cultivando amor e paciência em seu próprio coração para com seus irmãos. Se virdes que um de seus irmãos está em falta, não vos desvieis dele e não falai contra ele; mas vede quanta coisa boa podeis fazer tratando-o com ternura. Em vez de permitir que surjam sentimentos egoístas, procurai preservar a dignidade pessoal, deixai o eu perder-se de vista. Jesus coloca o Seu longo braço humano ao redor da raça caída e procura conectar todos ao trono do Infinito. Este é o trabalho em que deveis estar engajados. Não decepcioneis a Jesus por vossas dissensões.
“Mesmo que alguém pense estar certo, não deve advogar suas ideias individuais, de modo que elas venham causar discórdia. Não tomeis a posição que não podeis errar. Todos podem cometer erros; Todos precisamos “ungir os olhos com o colirio” (“Apoc. 3:18) prescrito pela pela Testemunha Verdadeira, para que possamos ver como estamos à vista de Deus.
 “Aqui estão dois irmãos trabalhando juntos. Será que estes irmãos, se o espírito de Cristo reinar em seus corações, serão encontrados em conflito um com o outro? Será que eles acariciarão a inveja, e imaginarão, sem fundamento, o mal, e ásperos sentimentos uns contra os outros? Impossível. Nenhum dos dois terá uma visão exaltada de si mesmo enquanto subvaloriza seu irmão. Cada um estimará o outro melhor do que ele. Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como Eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis’ (*João 13: 34). O amor aqui falado não é aquele sentimentalismo, a baixa ordem de amor, que atrai as afeições para longe de Cristo e as coloca umas nas outras. O amor aqui descrito é puro; surge das afeições centradas em Jesus, tornando-O o primeiro, e último, e melhor em tudo.
 “Irmãos, é vosso privilégio levar convosco as credenciais — amor, alegria e paz — que mostrem sois de Cristo. Procureis sinceramente ter essa planta celestial de amor enraizada em vossos corações, e então tendereis carinhosamente para que não murche e morra? Deixai  que Cristo apareça. Não acaricieis um espírito de independência que o leve a sentir que, se vossos irmãos não concordam convosco devem estar errados. As opiniões de seus irmãos são tão preciosas para eles como vos são as vossas. Cristo em você vos unirá a Cristo neles, e haverá um doce espírito de união.
 “Jesus está pronto para fazer grandes coisas por nós quando colocamos perante o altar, um sacrifício vivo e consumindo. ‘Eu farei que o homem seja mais precioso do que o ouro puro,  e mais raro do que o ouro fino de Ofir’ (*Isaias 12:12) Como? Através do espírito de Cristo. É através do sacrifício infinito de Cristo que este alto apreço foi atribuido ao homem (*Isaias 48: 10). Quando tivermos o Seu espírito em nossos corações, seremos de uma  só (*de uma mesma) mente nEle (*Fil. 2:5, KJV). Não procuraremos então encobrir os defeitos de nossos caráter; mas esforçar-nos-emos diligentemente para superá-los. Nossos olhos estarão fixados em Jesus, e aprenderemos dEle a interagir em amor e harmonia uns com os outros aqui, e, finalmente será concedido morarmos com Cristo, os anjos e todos os redimidos durante as eras eternas”.

2) Ellet J. Waggoner, “The Unity of the Church” (A Unidade da Igreja) The Advent Review and Sabbath Herald (Revista Adventista e o Arauto do Advento) 21 de outubro de 1902; veja também “Unity and Uniformity” (Unidade e Uniformidade) The Present Truth, de 20 de abril de 1893.

Notas:                                                                                   
Veja, em inglês, esta lição 9 exposta pelo Pr. Paulo Penno, na internet no sitio https://youtu.be/r5_93CkPnas

O vídeo do Pr. Paulo Penno, em inglês, pode ser recebido semanalmente. Solicite a inclusão do seu e-mail na lista do sitio: sabbathschooltoday@1888message.org

A Biografia de Ellet J. Waggoner está no nosso blog Ágape Edições em 8 de fevereiro de 2017. Desça a coluna da direita até o mês de fevereiro e clique no arquivo dele.

Biografia do Pr. Roberto Wieland:
O irmão Roberto J. Wieland foi um pastor adventista, a vida inteira, missionário na África, em Nairobe e Kenia. É autor de inúmeros livros. Foi consultor editorial adventista do Sétimo Dia para a África. Ele deu sua vida por Cristo na África. Desde que foi jubilado, até sua morte, em julho de 2011, aos 95 anos, viveu na Califórnia, EUA, onde ainda era atuante na sua igreja local. Ele é autor de dezenas de livros. Em 1950 ele e o pastor Donald K. Short, também missionário na África, em uma das férias deles nos Estados Unidos, fizeram dois pedidos à Conferência Geral: 1º) que fossem publicadas todas as matérias de Ellen G. White sobre 1888, e 2º) que fosse publicada uma antologia dos escritos de Waggoner e Jones. Eles e sua mensagem receberam mais de 200 recomendações de Ellen G. White. 38 anos depois, em 1988, a Conferência Geral atendeu o primeiro pedido, o que resultou na publicação de 4 volumes com um total de 1821 páginas tamanho A4, com o título Materiais de Ellen G. White sobre 1888. Quanto ao segundo pedido até hoje não foi o mesmo ainda atendido.

_______________________